13.10.09

Tão longe o esquecimento, tão perto a lembrança



Partiste e,
somente eu sei,
tudo que te dei
e tudo aquilo que não recebi.

Partiste e,
o que encontras nesses caminhos
feitos de espinhos onde te magoas?
Sangue, charcos, ou algas?
O que sentes, alegria, felicidade,
ou somente dor? Vá diga-me!

As noites aqui
são cada vez mais duras
mas não temas, esquiva-te das minhas lágrimas,
não te firas com a minha dor, que seria inútil.

Eusébio Sanjane

6.10.09



Visto a selva,
No primeiro caminho da paisagem
não sei da matação sobre o vale
Nem do segredo das árvores galopantes
No vento sobre o dia
De verde urgente, no tal de presente,
Busco o luar em plena madrugada e acompanho,
Atravesso os rios de orvalho no inverno
à Busca dum segundo caminho no poente
E um segredo na descida acometida
Sobre o vento, galopante na monção.
O segundo me assesta o assento
Sobre o caminho do terceiro
Quando atravesso a foz do rio,
Verde,
Na selvajaria do asfalto Virgem
E me agacho,
No quarto,
Em maré de extensão
Na onda estreita da vegetação.


Noé Filimão Massango