3.7.10

fomos denunciados


fomos denunciados
apanhados no escuro
por sabermos apenas
como se faz o esperma

mas onde a coragem
para mais geometria
que o triângulo das pernas
o mastro do navio?

a ti sei condenar
ó namorada mansa
minha toira-menina

eu preciso de ti
como de sal e livros
minha ave africana
ó mandrágora escura
eu decoro o teu corpo
de puta e sanguessuga

somos feras ou furúnculos?

só cordeiros nos olhos
devoramos os outros
trazemo-los na boca

eu e tu somos bichos
somos anjos de carne
corroídos pelo tempo
corroídos pelo vício
neste país de luto
nesta pátria de frio

Lourenço de Carvalho