18.6.09

Mormaço



Tarde riscada de formigas voadoras
para uma voraz geometria de bocotas e chivauvaus
assim espessa de mormaço e tremulinas
quase helénica
— se as tardes gregas fossem húmidas
como esta.
Nítidas
três cigarras em uma barbuda figueira brava
perto
febris de malária ou doutro mal lá delas
fretenem metálicas e verrumantes
— enquanto no peito vegetal de encephalartos horridus
entre verdes puas aceradas
um coração de acendido fogo
pulsa e — desmedidamente — cresce.

Quedou-se assim o tempo
tolhendo com as mãos ambas o discorrer do dia
decidido a conservar este xivito
tão de mim e tanta coisa...

Fonseca Amaral