6.4.08


A Vida


A vida
órfã de sempre
dá-me em cada verso
uma veia esticada em mim
a retinir poesia.

Deus deu-me
esta arte mínima
de confessar as coisas
dizendo tudo a fingir.

E desta dádiva me sirvo
polígamo de nostalgia.

José Craveirinha