19.4.08


Nós e o destino

Ao Patraquim


O tempo sacode na areia o musgo dos pés
no plasma do orvalho lava o rancor das mãos,
somos pó e pólvora na combustão da História
medimos aos milhões o fragor de cada acto consumado
e entre nós e o destino vai um palmo de esperança
que por sorte marcha a pé.

É o silêncio o mártir predilecto desse gesto
quando a fome não satisfaz a míngua da boca
e as migalhas fermentam o cuspo de cada um
pois é então cruel o nosso grito inevitável
e ardem em brasa os braços cálidos de vontade.

No mesmo chão em que brindamos os sacrifícios
cremos ter semeado a sílaba mágica
dessa oração de manter a mão de outro irmão
lacrada à nossa;
e só na hora de adorar o luar e os batuques frenéticos
nos desfazemos em êxtase
triturando o mesmo pó de que somos feitos.


Hélder Muteia