7.4.08



Canto porque a poesia
quis falar uma vez mais.
Canto porque a alegria
é uma das horas desiguais.
Canto porque a multidão
existe apenas na voz
que se ouve na solidão.
Canto porque as palavras
passaram cegas à espera
da luz da minha canção.


Alberto Lacerda