10.2.08


Presságio, Minha Ave



(Ao Gringas e à Maria, Poetas de outro blue-jazz)

Estou doente como um cão
num barco içado pela babugem
no ritmo Índico puro da monção;

O homem que eu disse ser,
inescrupuloso, de rara penugem,
é o capitão deste barco a arder
no seu cachimbo em forma de coração;

Longe, a ilha de seu destino, é vaga ideia
em qualquer privado jardim da consolação:
céu, mar, gaivotas de fogo, o pé-de-meia
de quando eu ainda pensava ter razão.

Este homem recorta-se no vosso céu de aço;
Ventos temporais, estrelas caídas de fronte,
O cachimbo sem tabaco, o declinado horizonte
E o coqueiro híbrido na mão insurrecta, largo o espaço.

Já não estou, afinal, doente; para sempre fui e morri.
Mas pela noite África, oceânica, regresso. Renasci.


Heliodoro Baptista