1.2.08


Poema


Deixa chorar mamãe,
sou sozinho nesta Europa grande,
de noite,
meu sonho ainda chama Paulo
para ir dançar batuque,
de dia,
minha cabeça gira
para ver Alice.
Deixa chorar mamãe,
você me deitou no avião
e ele me tirou
para longe da terra,
aqui há rio
e aqui há ilha,
mas eu não vejo
Zambeze com jacaré,
nem sinto verde
do capim no Canhime.
deixa chorar mamãe,
você me quer Muzungo,
snr. advogado preto
é branco também
e talvez entre no clube.
Deixa chorar mamãe,
você me esqueceu
meu coração de negro,
é,
ele não conta, não
mas deixa chorar mamãe…


Sérgio Vieira


Sérgio Vieira nasceu em Tete, em 1941. Estudou direito em Lisboa onde esteve ligado à Casa dos Estudantes do Império. Em Moçambique desempenhou vários cargos de responsabilidade política. É um dos nomes mais emblemáticos da «Poesia de Combate».