20.2.08

Jardim Sem Azul



Embora o sol já não brilhe
embora a luz desfaleça,
a tarde finda me vai,
pela face,
numa lágrima,
caindo.

As flores lembranças são
de um tempo já bem antigo
em que o Jardim era alma,
e essa alma,
meu amor,
era eu.

Mas agora estou cansado,
ó imaginária presença,!
de esperar a tua vinda...
...agora é tarde,
não venhas:
é o fim...
Alberto Lacerda