20.2.08

Insurreição


Vós, ó fantoches da vida embalados na onda sinuosa da alegria, Enquanto milhões e milhões de pretos morrem de desalento fustigados pela chuva diabólica da miséria,

Que julgais que a minha voz há de secar um dia finalmente no leito pedregoso dos meus lábios,

Escutai o som metálico do látego violento das minhas palavras libertas de grilhões nos pés!

Pode a brisa deixar de ouvir meu rude canto,

Pode o vento esconder-se nas furnas da solidão eterna quando eu erguer a voz aureolada de lágrimas ao infinito,

Podem os regatos parar bruscamente a serenata nervosa e pura das suas águas,

Podem as montanhas ruir estrondosamente a sufocar meu grito,

Podem até os Céus deixarem de descer à Terra para ouvirem o badalar sonoro da minha angústia,

Que eu cantarei ainda!... Que eu cantarei em ritmo desenfreado de avalanche de mundos em labaredas!...

Vós, ó sombras apagadas para sempre nesta hora de ranger os dentes e de imprecações recalcadas,

Podeis aprisionar todos os pássaros de voz de fogo na férrea gaiola do esquecimento,

Podeis até amordaçar cruelmente as bocas dos grandes ideais,

Que eu cantarei ainda... porque o meu canto rebentará a golpes de silêncio as próprias fronteiras da morte! ...


Albuquerque Freire