24.2.08


Banalidade




Vou cavar uma tumba
coser uma cruz de madeira
semear um punhado de flores

Para aquele cachorro vadio atropelado na rua

Que eu perdi a força
para abrir covas
aos homens mortos que semeiam a cidade e os campos


Ruy Guerra